Este site usa cookies. Alguns cookies são essenciais para a correcta operação do mesmo e já foram configuradas.
Pode bloquear e apagar as cookies deste site mas algumas partes poderão não funcionar correctamente.
PAÍS
- ARGENTINABOLÍVIABRASILCANADACHILECOLOMBIACUBAEQUADORESPANHAEUAMÉXICOPANAMÁPARAGUAIPERUPORTUGALURUGUAIVENEZUELA
ÁREA
- ARTE URBANAARTE SONORABAILECERIMÓNIACINEMACONFERÊNCIACRIAÇÃO PORTUGUESA CONTEMPORÂNEADANÇADESFILEESPAÇO PÚBLICOEXPOSIÇÃOFESTAFILMESFOTOGRAFIAGASTRONOMIAINSTALAÇÃOLEITURALIVROMARIONETASMÚSICAOLISIPOGRAFIARAAMLRÁDIORESIDÊNCIA ARTÍSTICAPROGRAMA EDUCATIVOTEATROTOPONÍMIAVISITAOFICINASDesign
EQUIPAMENTOS
- ACADEMIA MILITARARQUIVO MUNICIPAL DE LISBOA | ARQUIVO FOTOGRÁFICOATELIER - MUSEU JÚLIO POMARBIBLIOTECA CAMÕESBIBLIOTECA DE MARVILABIBLIOTECA ORLANDO RIBEIROBLX – BIBLIOTECAS DE LISBOACARPINTARIAS DE SÃO LÁZAROCASA DA AMÉRICA LATINA (CASA DAS GALEOTAS)CASA FERNANDO PESSOACASTELO DE SÃO JORGECCB - CENTRO CULTURAL DE BELÉMCINEMA SÃO JORGECOMPANHIA NACIONAL DE BAILADOBIBLIOTECA DOS CORUCHÉUSCTTESCADARIA DO JARDIM 9 DE ABRIL (À 24 DE JULHO)ESPAÇO PÚBLICOGALERIA DOS PAÇOS DO CONCELHOGALERIA MILLENNIUM BCPGALERIAS MUNICIPAISGALERIA QUADRUMGAU - GALERIA DE ARTE URBANAGEO- GABINETE DE ESTUDOS OLISIPONENSESMARIA MATOS TEATRO MUNICIPALBIBLIOTECA DE MARVILAMAAT - MUSEU DE ARTE, ARQUITECTURA E TECNOLOGIAMUDE - MUSEU DO DESIGN E DA MODAMUSEU ARPAD SZENES - VIEIRA DA SILVAMUSEU DA MARIONETAMUSEU DE ETNOLOGIAMUSEU DE LISBOAMUSEU DO ALJUBEMUSEU DO FADOPADRÃO DOS DESCOBRIMENTOSPALÁCIO CALHETAPÁTEO DA GALÉ - SALA DO RISCOPOLO CULTURAL GAIVOTAS | BOAVISTARTPSÃO LUIZ TEATRO MUNICIPALTEATRO CAMÕESVÁRIOS ESPAÇOS DA CIDADEARQUIVO MUNICIPAL DE LISBOA | VIDEOTECAEGEACCINE-TEATRO CAPITÓLIO
TEMAS
- PASSADO E PRESENTEAFRODESCENDENTESCRIAÇÃO CONTEMPORÂNEAMIGRAÇÕESQUESTÃO INDIGENA

< VOLTAR INSTALAÇÃO

Atardecer

Pablo Uribe (Uruguai)

URUGUAI

De 21 de Março a 22 de Junho


GALERIA DOS PAÇOS DO CONCELHO

Inaugura a 21 de Março, Terça às 17H00

Na obra de Pablo Uribe, um género essencialmente pictórico como a paisagem, funde-se com outro género tradicional: o retrato.

Numa projeção, um homem vestido com uma camisa branca é retratado de corpo inteiro, a três quartos de perfil, olhando frontalmente o espectador. Em seguida, vagarosamente, começa a imitar sons diurnos de animais nativos: mamíferos, aves, insetos e répteis. Noutra projeção, o mesmo homem, agora de camisa azul celeste, é retratado numa posição similar. De início aparece calado e imóvel. Depois começa a gesticular e a emitir sons de animais noctívagos. Desta forma estabelece-se un contraponto visual e, sobretudo, sonoro, que acompanha a passagem do dia para a noite. Ambas as figuras se inscrevem sobre um fundo negro e com uma iluminação fria, muito concentrada, como em Rembrandt. O coro de sons animais vai em crescendo, até que o homem de camisa branca baixa a intensidade dos sons e começa a espaçá-los. Fica por fim quase imóvel e em silêncio, enquanto o de camisa azul prossegue com os seus cânticos nocturnos.

Dos temas tradicionais da arte ocidental ao longo da sua história, retrato e paisagem são assim revistos e problematizados. Instalam-se como um roteiro de um falso documentário com alusões sinfónicas.